terça-feira, 2 de agosto de 2011

Canto Paisano!!!

Amigos queridos!!!

Gracias pelo grande apoio nesse primeiro Canto Paisano da Música Gaúcha!
Aqui posto uma breve reflexão minha e posterior prestação de contas do festival (evento particular, sem lei de incentivo fiscal, contemplado pela merecida inclusão no grande projeto municipal que é o calendário de festividades dos 200 anos de Pelotas).

Realizado por:
Josiele P. Castro
Formada em direito pela UCPEL no ano de 2009, produtora cultural da LIC/RS e Diretora Executiva da Rede Esperanto (RDEE) e OSCIP ACORD.
Nascida em 30/08/1987


Paisanos

Um dia descobri que não criamos nada para nós mesmos nesse mundo

Que cada ato e sonho solito é menor que uma brisa quente no sol escaldante,

Que somos muito menores que um grão de areia na praia

Que somos o nada tentando convencer que nada também é alguma coisa.

Então observei que existe um mundo de sonhadores lá fora

E entendi que não era mera frase bonita a que fala da força do que é sonhado em conjunto

Vi muitos olhos marejando com as minhas derrotas,

Vi bocas sorrindo com minhas vitórias,

Senti abraços acalmando minhas angustias

E de quem eram essas bocas, olhos e braços?

De centenas de pessoas que sonhavam o mesmo sonho

O sonho de um festival que muitos acreditavam que fosse mero fogo de palha,

Quando notei isso, vi que o mundo me tirou o direito de desistir de tal projeto,

Vi que meu trabalho era trazer à vida um sonho de todos nós

Lutei, chorei, briguei, convenci, me entreguei... Aceitei a missão de ignorar o impossível

E oque fiz? Larguei um escritório em POA, joguei tudo pro alto e virei produtora cultural.

Fiz minha armadura com o carinho e crédito que cada músico e apoiador em mim depositou

Tantas vezes fui Fênix, renascida pelas mãos dos que acreditaram no Canto Paisano.

Pessoas depositaram sua confiança em meu trabalho, lutando assim ao meu lado,

Amigos e artistas Paisanos me deram a permissão de pelear por tal sonho

E juntos, nós, os grãos de areia, erguemos uma fortaleza regada a suor e esperança

Somos invencíveis em nossa luta, respeitando nossos ideais e princípios.

Nossa Fênix voa no céu da vitória e da realidade,

Agora, os Paisanos têm sua casa, tem o Canto Paisano da Música Gaúcha,

Nossa fé ergueu seu templo, nosso amor gerou seu fruto.

Vencemos a batalha com o impossível, fomos lá e juntos fizemos acontecer.

Hoje somos algo no mundo, andamos de mãos dadas com nossos Paisanos,

Aprendemos com nossos erros e preocupadas criticas em prol de nosso trabalho,

Passamos a ser algo no mundo, uma árvore que faz sombra em meio à aridez,

Nossos frutos são puros e limpos como nosso trabalho e espírito paisano,

Desejamos que na sombra que criamos germinem nossas sementes de luta pela cultura...

Que se iluminem as almas que rabiscam calúnias, inveja e maldade no chão da sombra que criamos no mundo com nossa existência.

Somos Paisanos de peito aberto, damos a outra face, trabalhamos às claras (jamais seremos omissos) e respeitamos o trabalho de nossos artistas que sem se importar com fator financeiro algum de inscreveram em grande número e vieram de todo e Estado.

Respeitamos cada apoiador e patrocinador, sempre tendo sido claros quanto a nosso intento de cobrir despesas faltantes com a porta e, com as sobras, comissionar quem trabalhou para tornar o projeto realidade. Assim como fomos claros sobre tal fato com os músicos participantes. E como reagiram? Deram total apoio a tal método de trabalho, achando-o justo.

Foi assinada uma ata com todo o público presente na palestra do nosso querido amigo Ernesto Fagundes, e entregue tal ata na portaria do evento para que todos os interessados entrassem gratuitamente, assim como foram cedidas diversas outras entradas entradas (não referentes aos amigos e familiares da comissão).

É inversão de valores pensar que um músico tem seu trabalho reconhecido e valorizado via muitas vezes, valores quase simbólicos de ajuda de custo (não menosprezando o comissionamento do músico para pagar suas contas, e sim desprezando pensamentos errôneos de que unicamente a ajuda de custo o valoriza como artista). Dói muito ouvir pessoas citarem desrespeito como esse a tão honrada classe de artistas, visto que a arte é um dom a ser respeitado por ser divino, apreciado por quem o ama e bem comissionado. Jamais prostituído! Sendo assim, nos desculpamos pela falta de recursos (comprovada) de nesse primeiro festival, humildemente, só ter sido conseguido propiciar um de nossos templos à cultura que é o Theatro Guarany e som de primeira qualidade. Sem deixar de citar a conquista de um público extremamente interessado que ficou até o final, tendo respeitado e apreciado a arte dividida com o mundo por parte de cada artista.

Jogar ao vento palavras mentirosas, sem base na realidade não é só desrespeitar a coletividade, mas também mandar ao universo algo que voltará inevitavelmente a si mesmo.

Por isso amigos, vivam, criem, lutem, dêem vida a um mundo melhor... Percam o medo de fazer errado, tenham medo de não tentar! Entreguem sua vida e trabalho a esse mundo faminto de nossa coragem e iniciativa! Façam história e não se preocupem com malícias escritas no chão da sombra que criarem no mundo. Simplesmente criem com honestidade e trabalho sério o bastante para que más críticas não passem de palavras sem valor.

Que Deus os ilumine!


Apoiadores:
Cabanha Tropeiros do Sul: Gêneros alimentício do café da manhã da Fase Fechada do Canto Paisano;
CTG Tropeiros do Sul: Cedência das dependências do CTG para realização da etapa fechada;
Estância São José: Doação de carne para as refeições;
Supermercado Estrela: Doação de gêneros alimentícios em geral;
Casa de Cultura do Capão do Leão (Ana Motta): Troféus da fase fechada;
Atelier do Som: Gravação das músicas vencedoras da fase fechada;
Rincão Nativo: Alimentos aos artistas durante o festival no Teatro Guarany dia 23 de julho;
ONG Gesto: Auxílio nas diretrizes administrativas;
Espcom: Auxílio na organização administrativa;
RDEE e ACORD (Curitiba): Instituições das quais sou diretora executiva, tendo me ofertado todo o amparo para dúvidas administrativas e site;
Pro1: Grandes parceiros e incentivadores;
Rose Atelier da Beleza: Maquiagem e cabelo das integrantes da organização no dia 23 de julho;
Sapataria Tamandaré e AVJ Escola de música: Apoio na divulgação;
Armazém de Pilchas Gaúcho e Prenda: Ponto de venda de ingressos e divulgação na rua.

Patrocínio:

Prefeitura de Pelotas via agenda dos 200 anos de Pelotas: 500 cartazes e 5.000 panfletos (via empenho);
Secretaria de Cultura de Pelotas: Contratação do som (CIA dos Técnicos);
Creative Arte Visual: Banner de fundo de palco;
Transportes Santa Maria: Troféus;
Secretaria de Educação de Pelotas: auxílio na fiscalização das oficinas de música nativista do Canto Paisano a iniciarem em 2012, assim como propiciação da palestra de abertura das oficinas com Ernesto Fagundes (aberta ao público) e consequente show de fechamento do festival;
Rede de Farmácias Associadas: Pagamento da Rádio Alegria, RBS, antecipação do ECAD, aluguel de 80% do Teatro Guarany, confexão de ingressos, banner lateral no Teatro, material geral de trabalho no local, 3 tanques de gasolina (incluidas 2 idas a POA no IGTF e Rede Associadas).

Porta: Pagamento do Show de Abertura, cobertura de 20% do Guarany, pagamento dos jurados,
pagamento de 7 ajudantes no Guarany (não integrantes da comissão).
Dados de valores de Porta: Entrar em contato com ECAD Pelotas diretamente.

Agradecemos a Deus por tão grande conquista de todos nós, assim como comemoramos o êxito de tão lindo projeto sócio-cultural (festival - oficinas de música nativista).


Um dos Últimos momentos do festival captado por Raquel Borba Pires.

O texto acima foi supervisionado e aprovado pelo poder público da cidade de Pelotas/RS.




OBS: A PRESENTE PRESTAÇÃO DE CONTAS NÃO É POSSUIDORA DE CARÁTER OBRIGATÓRIO, ESTANDO SUA FEITURA OU NÃO A CRITÉRIO DA COMISSÃO ORGANIZADORA.
TODA E QUALQUER DUVIDA PODE SER ESCLARECIDA COM A COMISSÃO OU COM QUALQUER UM DOS PATROCINADORES E APOIADORES ACIMA MENCIONADOS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário